quinta-feira, 4 de junho de 2009

Malária

Tonturas, náuseas, vómitos, perda de apetite, fezes moles ou diarreia, dor abdominal, alterações do equilíbrio, dor de cabeça, fadiga, alterações do sono, pesadelos e sonolência. Em casos mais raros podem ocorrer alterações circulatórias (que podem levar a hiper ou hipotensão), vermelhidão da face, desmaios, palpitações, dificuldades respiratórias, suores, alterações digestivas, ritmo cardíaco irregular ou mais lento, prurido ou erupções cutâneas, queda de cabelo, distúrbios visuais e auditivas, dor no peito, zumbidos nos ouvidos, fraqueza, mal-estar, cansaço, febre, alterações motoras, deficiências sensoriais, tremores, retenção de água nos tecidos, dores e fraqueza muscular, cãibras, dores articulares, convulsões, e alterações psíquicas como apatia, depressão, esquecimentos, alucinações, agressividade, ataques de pânico, confusão, agitação, alterações de humor e estados de ansiedade.


Foram relatados casos raros de suicídio e tendências suicidas, mas não foi provada a sua ligação ao medicamento.



Não, não estou a descrever o método, que em alternativa ao de contar carneiro, os hipocondríacos utilizam para adormecer. Nada disso!


Esta meus amigos é a lista de efeito secundários (gosto particularmente do que está a negrito) que o medicamento anti-malárico, que nos foi receitado contém na sua bula. De seu nome Mephaquin.


É um comprimido simpático que se toma uma vez por semana, e protege contra a malária, mas no entanto os médicos avisam-nos que podemos apanhar a doença, mesmo tomando os ditos! Logo não garantem a sua eficácia.

Mas a lavagem cerebral que qualquer moço (ou moça) incauto leva na dita consulta do viajante, é de tal ordem eficaz, que acreditamos que é melhor arriscar apanhar algum, ou quem sabe vários, dos efeitos secundários daquela pequena listinha, tomando um comprimido que não garante uma protecção total, do que apanhar uma doença que tem cura, se tratada.


Todos os que para aqui vêm ao fim de umas semanas acabam por deixar de tomar. E nós não fomos excepção. É que os sacanas deixam mesmo um gajo mal disposto. Por exemplo o Bruno apanhava com cada moca, que até pensou começar a tomar os comprimidos diariamente!



Agora uma pequena acção formativa:


A malária, ou paludismo, é uma doença que se apanha através da picada da mosquita (sim fêmea, porque só elas é que picam), que apanhou de alguém quando andava na sua vida promiscua de picar uns e outros sem qualquer protecção.

Olha para ela!


O vírus fica incubado no organismo, e só se manifesta passados alguns dias, ou semanas.

Os sintomas são algo semelhantes ao da gripe. Dores musculares e de cabeça, fadiga, febres, mas distingue-se pelos calafrios e tremores, e pelo facto de serem sintomas cíclicos. Como entre ciclos o doente sente-se perfeitamente bem, torna-se perigoso, porque pode dar a ideia que já passou. A doença é mortal se não tratada!




Eu com isto não estou a defender que não se preocupem, e que não se protejam. Acho apenas, é que há outros métodos muito mais eficazes e inofensivos. No entanto, se for uma viagem curta, de 1 ou 2 semanas, poderá tomar os medicamentos. Isto porque no regresso a Portugal, caso tenha a doença, como os hospitais não estão habituados à doença, podem pensar que é só uma gripe, e não proporcionar o tratamento adequado. Tentem ir a um hospital de doenças tropicais.


O mais eficaz mesmo, é a prevenção!

Evitar andar na rua com o corpo muito exposto (menos as meninas) ao escurecer e no principio da noite, porque esta é a pior hora. Usar redes mosquiteiras na cama e janelas. E se suportarem o cheiro, repelente. Descarregar uma latinha de insecticida regularmente na casa, não faz mal a ninguém (só aos bichos).


Como nem mesmo assim, garantes a 100% que não apanhas paludismo, já sabes, ao primeiro espirro, é correr à clínica para fazer o teste da picada no dedo.


E vais ser picado! Todos são!



Lembre-se que os efeitos adversos podem ocorrer e durar várias semanas após a última dose.

Deve parar a profilaxia com Mephaquin e consultar um médico nos seguintes casos:

- se ocorrerem subitos estados de ansiedade, estados de depressão grave (depressão), agitação, ataques epilépticos ou confusão mental;

- se ocorrerem outros sintomas (por exemplo erupções cutâneas).

13 comentários:

  1. nao é verdade que apanhava grandes mocas..ficava naquele estado de 2 ou 3 cubas livre..mas nunca chegava ao estado das 5 :P
    e quanto ao sermos picados..elas so gostam dos docinhos (as mosquitas..as outras, enfim. )

    ResponderEliminar
  2. Eu sei o que é isso :s, tambem já os tomei quando estive na savana africana. Mas sem quer desaminar-te ou deixar-te em panico... esse medicamentos... não fazem nada :S!! Por isso dorme debaixo daquele véu (que tens ou devias ter ) em cima da cama. ehehehe

    ResponderEliminar
  3. Eu deixei de tomar ao fim da primeira semana. Estar a tomar coisas que não impedem de apanhar malaria, e que só fazem mal, não vale a pena.
    Quanto à rede, eu ainda não tenho. Mas não tenho sido picado, basta não abrir janelas que eles não entram.

    ResponderEliminar
  4. Vou agora para o Kenya e comecei a tomar o famoso Mephaquin. Já parei pois estava prestes a bater em toda a gente sem motivo aparente...Vai ter de ser mesmo à base da prevenção

    Angela G.

    ResponderEliminar
  5. Tou com a caixa na mão antes de tomar o primeiro... Acho que a caixa vai ficar intacta.

    ResponderEliminar
  6. poix...tb to com as caixas na mao ehehe sim pk tenho a opçao mephaquin e malarone......mas nenhum se deve tomar por períodos longos cm precisaria ..6 meses porisso.......

    ResponderEliminar
  7. É muito bom ler estes comentários. Eu depois de tomar a profiláxia para a malária durante 7 semanas estou sinceramente a pensar parar de o tomar. Acho que já senti quase todos os sintomas da bula e a sensação é a de que nas últimas semanas tenho outra pessoa a viver dentro de mim. É bom saber que não sou a única!

    ResponderEliminar
  8. Acabei de tomar o primeiro quím e depois li isto... Hummm. O que vale é que vou só 11 dias. Vamos lá ver como isto corre!

    ResponderEliminar
  9. Bem... eu como vou para ficar por terras Angolanas, se não fiquei doido em Portugal, tb não vou ficar em Angola... e pelos vistos este mepha(zmal)quin é otimo para comer o juizo... dado que me parece ser tipo governo (pior o soneto que a emenda)... tomei o primeiro e assim vou ficar. :-) .

    ResponderEliminar
  10. Bem eu estou a tomar só me falta dois,ainda n me aconteceu nada de mais, é certo já vi que a outras pessoas faz mesmo mt mal... e deixou algumas pessoas que conheço irritadas e ate conheci uma pessoa que teve alucinações... com tudo isto que já li na net tenho receio de continuar a tomar...

    ResponderEliminar
  11. Hipotensão brutal, nauseas, vertigens zumbido nos ouvidos, prefiro arriscar e nao tomo mais esta porcaria do Mephaquim

    ResponderEliminar
  12. Tenho uma caixa intacta e vendo - 25 euros - malarone 12 comprimidos - ferneticlove@gmail.com

    ResponderEliminar
  13. Estou em Angola a 8 anos graças aos comprimidos "Mephaquin" é que me têm safado da maldita malária paludismo, até ao dia de hoje ainda não apanhei nada e tomo eles todas as semanas.
    Desejo um Feliz 2017 com muita saúde é o mais importante.

    ResponderEliminar